Pio Sodalício

História

 

No início do século XX, senhoras da sociedade caxiense organizaram-se em um grupo com o simples e único objetivo de angariar fundos para a construção do altar-mor da Igreja Matriz de Santa Teresa. O propósito foi cumprido, levando-as a ver, na cooperação mútua, a oportunidade de continuar contribuindo com a comunidade. Nascia, assim, em 12 de agosto de 1913, a Associação Damas de Caridade.

 

O serviço hospitalar, na época, era inexistente e havia poucos médicos na cidade. Tendo consciência desta situação, a recém-criada Associação resolveu dedicar-se à causa, visitando, nos primeiros anos, as famílias carentes em suas residências, onde medicavam os doentes e até ajudavam na limpeza de suas casas. Com o tempo, o trabalho foi avolumando e tornando-se muito desgastante, fazendo surgir a ideia de fundar um hospital. 

 

Para isto, era necessário angariar fundos. A mobilização entre as Damas de Caridade foi grande, sendo criadas várias maneiras de arrecadação, entre elas, um Livro de Ouro, enviado à aniversariantes para assinarem e realizarem alguma doação para o futuro hospital. Percorriam as cidades vizinhas e a colônia, em busca de fundos ou mercadorias para a nobre causa.

 

O esforço foi recompensado com a aquisição, em 1919, do Palacete Rosa e mais três casas contíguas, pelo valor de 69 contos de réis. A casa de saúde, inaugurada em 24 de junho de 1920, foi constituída com o propósito de atender sempre aos mais necessitados e jamais deixar alguém falecer sem assistência religiosa. 

 

Muitas décadas se passaram e a ideia Pompéia concebida pelas Damas de Caridade continua intacta, num grande legado de persistência e fé.

 

Não por acaso, na sala em que estão instaladas no subsolo do Hospital Pompéia, está também parte das vigas de concreto que alicerçam o prédio do HP. Os dois grupos dividem o espaço para executar a difícil missão de darem sustentação ao Pompéia, há mais de um século.

 

Elas, sem dúvida, o fazem com muito mais amor no coração. São as integrantes do Pio Sodalício das Damas de Caridade, as responsáveis pela fundação do hospital. O Pio é formado por 27 damas voluntárias, que se dividem para a execução de diversos trabalhos que envolvem pacientes e funcionários do HP.

 

Na sala estão instaladas as máquinas de costura em que são confeccionadas cerca de mil peças de roupas por mês, doadas aos recém-nascidos carentes. O trabalho é feito por costureiras voluntárias, com material doado por confecções e pela comunidade.

 

As Damas também são responsáveis pela doação de material de higiene e fraldas infantis e geriátricas para as pessoas mais carentes atendidas pelo hospital. Além do conforto físico, há uma preocupação com o conforto espiritual dos pacientes. Todos os dias, elas se revezam no atendimento espiritual aos internados, realizando orações e distribuindo a comunhão.

 

O carinho e atenção é estendido aos funcionários. Todos os meses, elas organizam uma Feira de Roupas e Calçados para eles, com a comercialização de artigos a preços baixos.

 

Entre as atividades realizadas com os colaboradores está também o de Madrinha do Setor. Cada uma das damas adota um setor do hospital e a cada dois meses realiza uma atividade, que pode ser uma conversa ou a distribuição de balas e doces, por exemplo.