Tire suas Dúvidas

O que é um transplante de órgãos?

É um tipo de tratamento que consiste no aproveitamento de alguns órgãos de uma pessoa falecida, utilizando-os em outras pessoas que dependam do funcionamento desses órgãos para sobreviver.

 

Quem pode ser doador de órgãos?

Qualquer pessoa em morte cerebral. Não há limite de idade ou sexo. Porém, é essencial que os familiares, amigos e conhecidos saibam desta decisão. Também existe a possibilidade de doar órgãos em vida.

 

Quem pode doar órgãos em vida?

Qualquer pessoa com boa saúde e sem doenças infecciosas pode doar órgãos, mediante autorização judicial. Geralmente isto ocorre entre parentes, além de marido e mulher. A compatibilidade sanguínea é essencial. Há, também, testes para selecionar o doador que apresenta maior chance de sucesso.

 

Quais órgãos/tecidos podem ser obtidos de um doador falecido, ou com morte cerebral?

Rins, fígado, coração, pâncreas, pulmão, intestino, córneas, pele, ossos, músculos, tendões e vasos.

 

O que é morte cerebral ou morte encefálica?

Significa a morte da pessoa. É a interrupção definitiva e irreversível das atividades cerebrais e do tronco cerebral, que comandam todas as atividades do corpo humano. Embora ainda haja batimentos cardíacos, a pessoa não pode respirar sem aparelhos e o coração baterá somente por mais algumas horas. É neste momento que podemos retirar os órgãos viáveis. A constatação da morte encefálica se dá por meio de três exames: dois testes clínicos realizados por dois médicos diferentes, sendo que um deles, obrigatoriamente, tem que ser neurologista, e um teste de imagem que comprove que não existe mais atividade cerebral.

 

Morte cerebral é o mesmo que coma?

Não. A morte encefálica é muito diferente do coma. No coma as células cerebrais continuam vivas, executando suas funções vitais; o que ocorre é uma falta de integração entre o indivíduo e tudo que o rodeia. Na morte encefálica, as células nervosas estão sendo rapidamente destruídas, o que é irreversível.

 

Quem recebe os órgãos/tecidos doados?

Os pacientes que estão na fila de espera por um transplante. Esta lista é controlada pela Central de Transplantes, órgão do Governo do Estado criada por Lei Nacional em 1997. Além da ordem da lista, a escolha do receptor será definida pelos exames de compatibilidade com o doador, por isso nem sempre o primeiro da fila é o próximo a receber o órgão.

 

Após a doação, o corpo fica deformado?

Não. A retirada de órgãos é um processo cirúrgico como qualquer outro, realizada com todos os cuidados da reconstituição, o que também é obrigatório por lei. A retirada de córneas e ossos também não deforma a aparência.

 

O que você deve fazer para ser um doador de órgãos?

Se você decidir ser um doador, deve apenas avisar sua família pois é ela quem assina o termo de consentimento para a doação, sem este termo, não há doação de órgãos.