Notícias

01/11/2019

Centro de Pesquisa Clínica do Hospital Pompéia apresenta seus trabalhos à comunidade científica

Compartilhe:

No mês de outubro, Centro de Pesquisa Clínica do Hospital Pompéia (Cepes) participou de diversos eventos científicos representando a instituição. A iniciativa teve como intuito divulgar os resultados das pesquisas desenvolvidas pela equipe do setor para a comunidade científica da região. Foram apresentados trabalhos na FSG, UCS e URFGS, além de um minicurso sobre Pesquisa Clínica durante a III Semana Acadêmica do Centro Integrado de Saúde da FSG.

As pesquisas foram conduzidas pela coordenadora de Pesquisa Clínica do Cepes, Fernanda Formolo, e a estagiária do setor, Caroline Marsilio.

Confira cada um dos trabalhos desenvolvidos pelo Cepes:

 

Trabalhos FSG:

- Prevalência de novos casos de câncer no ano 2018 em um Hospital do Sul do Brasil:

O objetivo deste trabalho foi verificar a prevalência dos novos casos de câncer no ano 2018 no Instituto do Câncer (INCAN) do Hospital Pompéia de Caxias do Sul/RS. Foram identificados 648 novos casos  neste período, sendo próstata (19,6%), mama (11,1%) e cólon e reto (8,8%) os sítios primários de maior ocorrência. Os dados obtidos corroboram com a estimativa nacional para o ano 2018 realizada pelo Instituto Nacional do Câncer - INCA.

 

- Principais diagnósticos de enfermagem em pacientes oncológicos submetidos à quimioterapia infusional:

Ao passo que médicos tratam doenças e utilizam a taxonomia Classificação Internacional de Doenças (CID) e psicólogos e psiquiatras tratam transtornos mentais e fazem uso do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM), os enfermeiros tratam respostas humanas a problemas de saúde/processos de vida e usam a taxonomia de diagnósticos de enfermagem da North American Nursing Diagnosis Association (NANDA). Crê-se que certos diagnósticos de enfermagem se repetem com frequência em determinadas situações clínicas e que a análise desses padrões tenha sua importância na formulação de protocolos assistenciais e melhora na qualidade do cuidado. Foram coletados os dados dos pacientes do Instituto do Câncer (INCAN) do Hospital Pompéia de Caxias do Sul/RS. Identificaram-se 11 diagnósticos de enfermagem, os mais prevalentes foram: Risco de infecção (80%), Risco de trauma vascular (75%) e Dor aguda (29%). Pôde-se observar uma prevalência dos diagnósticos de risco, os quais incitam intervenções preventivas. Isto pode ser justificado pelo fato de que a quimioterapia, ao expor o paciente a toxicidades, desencadeia uma série de eventos adversos conhecidos.

 

- Perfil da mortalidade por neoplasias malignas no Instituto do Câncer do Hospital Pompéia de Caxias do Sul/RS no período de 2014 a 2018:

A amostra foi composta por todos os pacientes oncológicos com desfecho de óbito, atendidos pela primeira vez no Instituto do Câncer do Hospital Pompéia (INCAN), mediante o Sistema Único de Saúde (SUS), entre os anos 2014 e 2018. Houve uma prevalência de indivíduos do sexo masculino (61,1%), de etnia branca (88,2%), com ensino fundamental incompleto (59,2%), casados (48%) e na faixa etária de 61 a 70 anos (32%). Quanto aos fatores de risco, se observou uma maioria tabagista (31%), ex-etilista (23,9%) e com histórico familiar positivo para neoplasias (20,6%). Ao que se trata dos sítios primários, pulmão (16,7%), cabeça e pescoço (10,1%), esôfago (9,5%) e cólon e reto (9,2%) destacaram-se entre os mais acometidos, enquanto o estadiamento clínico IV (50%) também prevaleceu.

 

Trabalho UCS:

- Perfil da mortalidade por neoplasias malignas no Instituto do Câncer do Hospital Pompéia de Caxias do Sul/RS no período de 2013 a 2018:

Semelhante ao trabalho anterior, analisando um período maior de tempo, este foi realizado através da base de dados do Registro Hospitalar de Câncer (RHC) da Instituição e seguido de análise de perfil da população. A amostra foi composta por todos os pacientes oncológicos com desfecho de óbito, atendidos no Instituto do Câncer do Hospital Pompéia (INCAN), mediante o Sistema Único de Saúde (SUS), nos anos de 2013 a 2018. Foi identificado um total de 359 óbitos, com prevalência de indivíduos do sexo masculino (61,6%), de etnia branca (88%), com ensino fundamental incompleto (56,3%), casados (49,9%) e com média de idade de 64 anos. Quanto aos fatores de risco, se observou uma maioria tabagista (29,5%), ex-etilista (25,9%) e com histórico familiar positivo para neoplasias (21,4%). Ao que se trata dos sítios primários, pulmão (15,6%), cabeça e pescoço (9,7%), esôfago (9,2%) e cólon e reto (8,9%) destacam-se entre os mais acometidos, enquanto o estadiamento clínico IV (50,9%) também prevaleceu.

 

Trabalho UFRGS:

- Prevalência de novos casos de câncer no ano 2018 em um Hospital do Sul do Brasil:

O objetivo deste trabalho foi verificar a prevalência de novos casos de câncer no ano 2018, no Instituto do Câncer (INCAN) do Hospital Pompéia de Caxias do Sul/RS e, traçar um perfil desta população. Foram identificados 648 novos casos de câncer no ano de 2018, nos quais próstata (19,6%), mama (11,1%) e cólon e reto (8,8%) foram os sítios primários de maior ocorrência. A análise de perfil revelou maior proporção de indivíduos brancos (84,6%), do sexo masculino (60,5%), casados (56,8%), com escolaridade baixa (Ensino Fundamental Completo e Incompleto, 34,7% e 27,3% respectivamente) e média de 62 anos de idade. Com relação ao consumo de álcool, 27,9% são consumidores ou ex-consumidores e, referente ao tabaco, 40,8% são fumantes ou ex-fumantes. Os dados obtidos corroboram com a estimativa nacional para o ano 2018 realizada pelo Instituto Nacional do Câncer INCA. O estudo dos padrões do câncer nas populações tem contribuído substancialmente para o conhecimento de suas origens, e dados confiáveis sobre a incidência do câncer e o perfil de seus portadores são uma necessidade crescente.

 

Sobre o Centro de Pesquisa Clínica do Hospital Pompéia:

O Hospital Pompéia iniciou suas atividades na área de Pesquisa Clínica no ano de 2010, e desde então participa de pesquisas em diferentes áreas da saúde. O departamento responsável por receber e conduzir os estudos clínicos é o CEPES – Centro de Pesquisa do Hospital Pompéia.

São diversas as regras que estabelecem a validade dos dados coletados na pesquisa clínica, tais como: a aprovação prévia do estudo pelo Comitê de Ética em Pesquisa, o consentimento expresso do paciente, a realização periódica de exames laboratoriais e consultas médicas, além de um acompanhamento rigoroso dos resultados obtidos na pesquisa.

O estudo normalmente é patrocinado pela indústria farmacêutica, que busca médicos investigadores dentro de instituições de saúde para sua condução. O Hospital Pompéia já recebeu pesquisas de vários laboratórios, situados em diferentes países, sempre zelando pela qualidade dos dados e seguindo os princípios internacionais de Boas Práticas Clínicas.

Compartilhe: